quinta-feira, 10 de abril de 2014

Rapida atualização

Passando por aqui rapidinho só para comentar o que eu tenho feito ultimamente. A progressão do baixo R7 continua a passos lentos, mas andando para frente.

Nesse meio tempo eu fiz um trabalho de manutenção na guitarra do Beto, vizinho do meu sobrinho Lucas. O captador da ponte não estava funcionando. A guitarra é bem simples, uma Stratocaster da Squier. Não gosto muito de fazer manutenção, prefiro construir mesmo, mas achei interessante para aprender um pouco mais sobre a parte elétrica.

A guitarra ficou parada por muito tempo e sem cuidado. Quase toda parte de metal estava bastante oxidada: ponte, cordas, imãs dos captadores, tarraxas, etc. Fiquei até com medo de pegar tétano. kkkk

Retirei o escudo para dar uma olhada na parte elétrica e por lá a ferrugem também comia solto. Limpei o que pude com álcool e uma escovinha. Pensei que pudesse ser algum problema com as soldas ou ligações elétricas por causa da queda que a guitarra teve, mas estava tudo perfeito. Abri a chave seletora que estava um pouco emperrada, uma boa limpada, montei tudo novamente e coloquei cordas novas. Tcharan ... o captador da ponte voltou a funcionar. Aproveitei para passar bombril nos trastes. Olha a diferença que faz!

Não tirei fotos após o trabalho.

















Um projeto que eu tinha em mente desde que mudei para o apartamento era fazer um painel de ferramentas. Sempre achava um barato quando ia em oficinas e via as ferramentas todas expostas na parede. Fica tudo organizado e de fácil acesso. É um saco ter que ficar abrindo caixas e procurando ferramentas. Por acaso, a que você precisa está sempre por baixo de tudo.

Ainda falta arrumar uma ou outra ferramenta, mas já dá para usar.





R7 - fiz o molde para encaixe do braço no corpo. Se der certo, faço a cavidade no próximo sábado.







\m/

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

R7 - Contorno do Braço

Continuando os trabalhos no braço, fixei o molde do headstock para fazer o contorno final e retirar o excesso de madeira. Os parafusos foram colocados no futuro local das tarraxas de forma que os buracos não aparecerão.


Para o braço, a própria escala, que já havia sido aparada nas medidas certas, faz a vez do molde.


Será que faz sujeira?


 Olha como os desenhos da madeira já começam a aparecer!!



O encaixe do braço será arredondado e aparente, dando um toque diferente e fazendo contraste com o corpo.


\m/

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

R7 - Colagem da Escala no Braço

Mais alguns trabalhos no último fim de semana.

Não é fácil acertar exatamente a profundidade da marcação do braço sem uma furadeira de bancada ou de um limitador de profundidade. O jeito é aparar o excesso. Primeiramente com um formão e, depois, lixando até ficar no mesmo nível da escala.





Hora de colar a escala no braço. Para que a escala fique no lugar certo e não escorregue na hora de colar, eu a coloco na posição correta e faço pequenos furos que servirão de guia com o uso de prego para o posicionamento. Esses furos ficarão escondidos pelos trastes posteriormente.

Depois coloco fita crepe na cavidade do tensor para que a cola não escorra para dentro, lambuza as duas peças com cola e coloca os grampos bem distribuídos.






Está começando a parecer um braço de baixo.


\m/

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

R7 - Escala e Braço

Mais uns trabalhinhos no R7 e atualização rápida.

Corte das casas para colocação dos trastes. A fita na serra é para orientar em relação à profundidade necessária. Porém, o corte definitivo será realizado somente após fazer o raio na escala.



Colocação da marcação da escala.


Lembram que eu não tinha conseguido fazer a inclinação do headstock com a tupia? Percebam que o excesso do lado direito é bem maior que do lado esquerdo.

 

Hora de estrear o novo brinquedinho. Não consegui de jeito nenhum usar a plaina manual que tenho. Pesquisei na internete e realmente não é coisa simples, principalmente se a plaina não for de boa qualidade e não estiver bem ajustada. Uma plaina manual boa, geralmente importada, chega a ser mais cara que uma plaina elétrica. Os planos para aprender a usar plaina manual não foram descartados totalmente, mas ficaram para o futuro.

A plaina elétrica é bruta! É recomendável testar em um pedaço de madeira descartável antes de trabalhar na peça. O ideal é fazer várias passadas bem rasas para não retirar mais do que deve.



Aproveitei  que a sujeirada já estava feita para fazer o corte bruto do braço.



\m/

domingo, 29 de dezembro de 2013

R7 - Vários

Finalmente, retomando os trabalhos no R7.

Primeiro foi a inclinação do headstock. A ideia é retirar um pouco de madeira na parte superior utilizando a tupia e alguns apoios como se fosse uma plaina elétrica.


Fiz o máximo para deixar tudo nivelado ...



Mas não deu muito certo. Acabou que um dos lados ficou desigual e ainda estou pensando em como resolver isso. Vou tentar novamente afiar e regular uma plaina manual.

Vocês devem estar se perguntando: por que não está usando a bancada nova? Tem algumas tarefas que são mais fáceis de fazer na bancada pequena, mas a grande está sendo muito bem utilizada sim.


A segunda parte deu certo. Fiz a cavidade para instalação do tensor. É só alinhar direitinho a guia paralela com o centro do braço e mandar brasa. Sempre com passadas rasas para não forçar a máquina.




Aproveitei para fazer o molde do headstock que estava faltando. O bom de usar mdf é que é fácil para cortar e dar forma.



Depois do corte bruto, é só ajustar com a lima e lixa.



E ainda deu tempo de cortar a escala no tamanho final. Ainda falta o corte dos trastes que eu tô enrolando por preguiça. kkkk





Ufa, por hoje é só.

Abraços e boas festas!!

\m/